© HG
Poesias
A MÃE PRETA... (Autor desconhecido)     Mãe Preta sempre chorava quando a criança embalava nos pobres braços cativos. É que teve dois filhinhos seu enlevo seus anjinhos nem sabia se eram vivos.   Pobre mãe preta: vivia nessa constante agonia nessa dor nessa aflição. Teve a joça onde morava com profunda adoração.   Mãe Preta era tão boa e não se queixava  à toa do maldito cativeiro. Lá no Congo onde morava e mil venturas gozava seu negro fora o primeiro!   Depois... Um senhor malvado fez mudar para sempre o fado, da pobre negra cativa. Uma desgraça tão grande não tem consolo que abrande, pois a dor é muito viva!   Rezava e rezava aflita, com sua alma contrita ao Deus que tudo criou, Rezava pelos negrinhos que andavam pelos caminhos,  que a triste sorte marcou.   Num dia triste de agosto, bem à hora do sol posto, a Mãe Preta descansou. Em sua face retinta doce alegria se pinta, seu martírio terminou...