© HG
Poesias
MARIA LATA D’ÁGUA   Autora: Margareth Berlim – 22.08.1980   ...E assim continuou sua caminhada...    Subiu a ladeira, lata d’água na cabeça,    pés descalços, braços magros e queimados...    Sol ardente torrava-lhe as costas,    enquanto o suor corria-lhe pela face.                        ...E, continuava...                         Quando exausta estava sentava-se                         a contemplar suas mãos grossas...                         Lata d’água, assim era conhecida...                         Sempre a mesma trilha, a mesma subida.   Descansava, e, logo a caminhada retomava, desde raiar o sol ao despontar sobre qualquer monte a primeira estrela.                           Chegara  em casa; que casa?                         Um amontoado de tábuas,                         coberto com meia dúzia de zinco furados...                         Em seu interior um som manso, suave,                         um choro pequeno e franzino...                         E, ela mergulhada a pranto,                         Ia aos poucos se consumindo...   E seu nome? Lata D’água? ou algum outro teria? Alguém responde rapidamente: _Eu sei. Chama-se Maria...                            A pobre mulher ajoelhou-se ao solo,                          na sua agonia,                          em seus frágeis braços socorria,                          ao filhinho que gemia,                          gemeu... Fechando os olhinhos pequeninos,                          morreu...   Agora, o morro inteiro chora, e Maria já conhecida.  Por sua dor incontida, tenta apagar de sua alma tamanha ferida...                           ...Desce o morro, com lágrimas nos olhos,                                         sem um adeus...                         Á lata, ao morro, ao sofrimento,                         não deixa sequer um lamento.                         Apenas saudades do morro que um dia foi seu...