© HG
Poesias
O ANJINHO DO FRIO Autora: Helena Berlim Vils   Um anjinho de cabelos de linho dentinho de leite miúdo e pobrezinho; um anjinho do frio de fala incompleta de pezinhos descalços vermelhos e doridos, de pezinhos inchados na busca de trabalho nas ruas geladas; Sem calor de cobertor nas noites tão frias; um anjinho lourinho pediu à turista - oh! moça boazinha posso olhar seu carro?   E quando a moça de outra região deu ao anjinho de Campos de Jordão agrado e palavras de amor ouviu esse hino: - a mocinha é tão boa que merece uma flor! Os pezinhos inchados doridos de frio correram a buscar na beira da estrada uma florzinha para ofertar à moça boazinha...   Enquanto na cidade os pivetes com revolta e maldade arrancam da moça bolsa e cordão aquele anjinho de Campos do Jordão uma flor oferece porque entende que ela merece!   Amigo viajante, quando você se encontrar por turismo ou labuta, numa cidade distante, daquelas bem frias, repare os pezinhos dos doces anjinhos que gemem de frio e procure levar para os agasalhar não só seu amor mas, também, o calor eficaz do pouco que seu filho não usa mais. E dê de coração mesmo que o anjinho não seja o de Campos do Jordão!